Bisner

Alexandre Makiolke nasceu em Londrina - Pr, no ano de 1980.
Começou a trabalhar como designer gráfico em 1997, atuando em diversas agências e meios de comunicação.
Em 2007, começa a se dedicar a colagem, produzindo materiais gráficos feitos com colagem digital para peças de teatro. No mesmo ano inicia a sua pesquisa em arte urbana no seu trabalho de conclusão do curso de Artes Visuais, apresentando sua primeira experiência com lambe-lambe.

A partir de 2011, passa a desenvolver colagens em grandes formatos, integrando os processos de lambe-lambe com colagens, adquirindo assim assinatura própria e criando uma série de trabalhos nesse formato.

Começa a praticar serigrafia em 2016, produzindo peças de sticker art e lambe-lambe, participando de eventos nacionais e internacionais de arte urbana, como os festivais de La Mèche, em Toulouse, Invasion of New York, em Nova Iorque, 1° World Wide Wheatpaste Wall, em Roma e da Semana de Arte Urbana do SESI em Londrina.

Aprofundando-se na serigrafia, em 2017 começa a reproduzir suas colagens em lambe-lambes elaborados em quadricromia.
Acredita que a arte urbana não é só forma de expressão artística como, também, de recuperação e humanização das cidades.

Sobre a série

“Humildes seres” é o grito silencioso de uma sociedade sufocada pelo excesso, abundância vazia que causa uma falta. Tudo temos e nada somos, rumo a um beco com saída em uma viagem sem ida. Mais uma vez, a arte de Alexandre Makiolke, a.k.a. Bisner, abre os olhos cansados de uma cigana cega, sem mistério, que nos aponta uma previsão imprecisa e vacilante. O trabalho estende seus dedos de tentáculos para cutucar uma ferida exposta, na busca de resposta para uma reflexão: e agora? E depois de agora? O papel do artista é desafiar o pensamento padronizado nas prateleiras da vida, apontar caminhos, para que a gente possa, no incêndio do óbvio, fugir para as montanhas do absurdo: a matéria do que é feita a realidade.