Daniel Moreno

Daniel Moreno, natural de Natal-RN, começou sua carreira em São Paulo, onde vive e atua como ilustrador. Trabalhou por 11 anos em grandes agências de publicidade e teve seus trabalhos publicados nos principais veículos nacionais e internacionais. Estudou na School of Visual Arts, em Nova York e na Escola Panamericana de Artes.

Em 2011 fundou - com mais dois sócios -, o Estudiorama, um estúdio de ilustração com foco em campanhas publicitárias. O Estúdio já recebeu vários prêmios, dentre eles mais de 20 Leões em Cannes para clientes como Havaianas, VW, Greenpeace, Bayer, Escola Panamericana de Artes, Masp, Sharpie, Aspirina, Pedigree, Mccafé, BandSports, entre outros.

Em 2014, no processo de desenvolver um trabalho mais autoral, começou a experimentar diferentes tipos de materiais e suportes, trazendo um novo olhar para as fitas adesivas (duct tape, silvertape fita isolante & etc.). Nasce, assim o Tape Project.

Seus quadros, grandes em escala e ricos em detalhes, são formados por recortes precisos no estilete e muita cor. A cada pedaço de fita, se sobrepõem o grafite e o cordel, xilogravura e arte urbana, pop e tradicional, digital e manual, em uma arte inspiradora e original.

Com o Tape Project, já realizou exposições individuais no Brasil, Espanha e Suécia. Produziu trabalhos nas ruas de países como França, Alemanha, Áustria, Dinamarca, Nepal e Índia.

Atualmente, divide seu trabalho entre os trabalhos publicitários no Estudiorama e os quadros do Tape Project em seu ateliê. 

Projeto futuro

Para o próximo projeto quero continuar no universo do cangaço só que agora dando mais atenção aos  símbolos e explorando ainda mais a “estética do cangaço”.

Minha ideia é fazer uma série de quadros focada nos elementos e símbolos místicos inerentes à época deste fenômeno do banditismo brasileiro. Os florais dos bornais, das cartucheiras e alpercatas são alguns dos detalhes que deverão estar em evidência nas próximas produções.

Para isso, senti a necessidade estudar mais quem são esses brasileiros, homens e mulheres “criados pelo gado” que se originam da mistura de negros e brancos que saem do litoral e entram pelo sertões com a missão de levar o gado pra longe dos engenhos e nesse processo de desbravamento entram em contato com os índios, estes a 3º parte dessa mistura que da origem ao sertanejo. Dentro dessa sociedade pastoril que se forma no meio de uma terra seca, pobre e isolada da litoral nasce também uma cultura própria e muito forte, com muitos elementos das culturas negra, indígina e europeia.

Quero trabalhar com os símbolos como a Estrela de Salomão e a Flor de Liz, símbolos esses que vem com o colonizador mas que ganham ressignificados nos chapéus e vestimentas dos cangaceiros.

 Materiais:
Fitas adesivas variadas, chapas de madeira e lâminas de acrílico transparentes para criar camadas e dar profundidade.